Paulo Pereira defende que os processos têm de ser mais céleres.

Burocracia e atrasos dos apoios preocupam as empresas que continuam a pagar impostos.